por Bruna Caetano*

 

A discussão sobre o início da vida é frequente, o que desencadeia longos debates acerca do aborto. Infelizmente, essa questão não vive apenas no mundo das ideias, pois possivelmente você conheça alguém que cometeu um aborto (criminoso ou não).

Mas o que é aborto?

Pesquisando sobre a palavra aborto, constata-se que ela tem origem do latim “abortus, junção das palavras ab, preposição que se emprega antes das palavras iniciadas por vogal, exprimindo a ideia de afastamento, mais ortus, substantivo masculino, que indica nascimento, origem ou mesmo como adjetivo, nascido, oriundo, proveniente, formado” (Spolidoro, p. 29). Já o verbo abortar, também originada do latim “abortare”, que significa expulsão do produto da concepção (feto ou embrião) do útero, antes ou depois de adquirir a viabilidade.

Nessa linha de análise, o Manual de Obstetrícia de Williams (Leveno, p. 5) afirma que o aborto terapêutico é “a interrupção médica ou cirúrgica de uma gestação antes do tempo de viabilidade fetal a fim de prevenir lesão corporal grave ou permanente na mãe”. Enquanto para Bento (p. 141), o aborto é o homicídio de um futuro adulto antes do seu nascimento.

Já Anjos (p. 19), cita cinco motivos para o aborto, sendo eles: 1) terapêutico, para salvaguardar a saúde da mãe; 2) eugênicos, para livrar-se de um feto com animália ou doença fetal; 3) éticos, para eliminar uma desonra social; 4) socioeconômicos, para o controle de natalidade; e 5) psicológicos, por decisão pessoal dos pais. No entanto, o aborto provocado, do ponto de vista jurídico, pode ser legal ou criminoso.

 

Diante dessas considerações, você é contra ou a favor do aborto? Por quê?

 

Hoje ficaremos por aqui, mas gostaria que você refletisse sobre o aborto e o início da vida, e nas próximas publicações daremos continuidade nesse assunto.

 

Referências

 

ANJOS, Márcio Fabri dos. Argumento moral e aborto: da argumentação sobre a moralidade do aborto ao modo justo de se argumentar em teologia moral. São Paulo: Loyola, 1976.

BENTO. Luis Antonio. Bioética: Desafios éticos no debate contemporâneo. São Paulo: Paulinas, 2008.

LEVENO, Kenneth J. org. Manual de Obstetrícia de William: Complicações na Gestação. 23. ed. Texas: AMGH, 2014.

SPOLIDORO. Luiz Cláudio Amerise. O Aborto e sua antijuricidade. São Paulo: Lejus, 1997.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui